Atendimento Covid em Curitiba

Atendimento Covid em Curitiba

01/06/2021

A partir de 1º de junho, o Pronto Atendimento Respiratório do Hospital Ônix Mateus Leme atenderá, exclusivamente, casos graves de Covid.A medida busca conceder maior capacidade frente à demanda crescente de casos da doença na região de Curitiba. O novo fluxo também permitirá a ampliação das instalações, contribuindo para que o sistema de saúde não entre em colapso e que as pessoas que realmente necessitam de atendimentos hospitalares urgentes recebam tratamento adequado.Em casos de sintomas ou dúvidas relacionadas à Covid, utilize o aplicativo GNDI easy Dr. Clinipam para pronto atendimento ou a Telemedicina, deixando o uso do serviço médico presencial somente para os casos de urgência/emergência.O Centro Clínico Boqueirão segue como Unidade referência para os casos leves de Covid, das 8h às 23h. Após este horário (das 23h às 8h), busque o Pronto Atendimento do Hospital Ônix Mateus Leme.Atenção aos novos locais para atendimento: - Sintomas iniciais ou dúvidas em relação à Covid: GNDI easy Dr. Clinipam Telemedicina - Casos leves de Covid: Centro Clínico Boqueirão - 8h - 23h Av. Marechal Floriano Peixoto, 7.481 – Boqueirão Hospital Ônix Mateus Leme - 23h - 8h Rua Mateus Leme, 2.600 – São Francisco Casos graves de Covid: Hospital Ônix Mateus Leme - 24h Rua Mateus Leme, 2.600 – São Francisco

Campanha “Indique e Ganhe” oferece 70% de desconto na fatura do plano

Campanha “Indique e Ganhe” oferece 70% de desconto na fatura do plano

27/05/2021

Começar a usufruir um serviço importante, como um plano de saúde, traz tranquilidade e segurança para priorizar outros setores da vida. Agora, imagine que esse relacionamento pode render desconto de 70% na próxima mensalidade. É a campanha “Indique e Ganhe”, que o GNDI Sul criou para conquistar novos beneficiários.Funciona assim: o beneficiário pessoa física, que já tem o plano individual acessa o “Indique e Ganhe”. Clicando nessa área, ele vai começar todo o processo de indicação, que é rápido e fácil, informando o número o CPF, dados pessoais e de contato.Após esse registro, ele recebe um link por e-mail para oficializar a indicação através de token e link. Para a indicação ser oficializada, é importante ressaltar que o link identificado por ID deve ser repassado a pessoa que ele deseja indicar. O indicado então acessa o link e preenche os dados para que a equipe comercial entre em contato. Após o contato e o fechamento da proposta com o indicado, o representante comercial autoriza a bonificação.Confira o passo a passoTodos ganhamTanto o indicado quanto o indicante recebem 70% de desconto na próxima mensalidade*. É uma forma direta e viável de se economizar no orçamento doméstico, o que ajuda a viabilizar outros planos com aquele dinheiro que passa a sobrar no fim mês.Outra boa notícia é que a experiência de receber o desconto pode ser repetida. A campanha permite que os beneficiários continuem realizando outras indicações, garantindo assim novos descontos nas próximas mensalidades, sem perder nenhum dos serviços contratados.Acesse: Campanha Indique e Ganhe!*Clique aqui e confira o regulamento completo.

Pré-natal durante a pandemia

Pré-natal durante a pandemia

27/05/2021

Mesmo em tempos de pandemia, o pré-natal é fundamental para a prevenção ou detecção precoce de doenças, tanto nas mães quanto nos bebês. Ainda que as gestantes integrem o grupo de risco para a Covid-19, o acompanhamento pré-natal é indispensável para o desenvolvimento saudável do bebê e para a redução de riscos para a gestante. O recomendável é que as consultas sejam realizadas desde a descoberta da gestação até o momento do parto. O acompanhamento pré-natal contempla consultas, vacinação e exames, todos de extrema importância para orientar as gestantes, com informações que vão desde o cuidado com a higiene até a assistência psicológica. Além disso, durante o processo, os profissionais também auxiliam com orientações sobre alimentação saudável e quais medicamentos podem ser utilizados durante a gravidez. Dessa forma, é necessário reforçar que as grávidas não podem interromper a assistência durante a pandemia. Ainda que, em diversos momentos, a orientação seja suspender temporariamente alguns procedimentos médicos, essa não é a situação dos atendimentos pré-natais que, segundo o Ministério da Saúde, devem ser totalmente mantidos. A recomendação do Órgão é fazer o pré-natal com o maior espaço possível entre uma consulta e outra, com o objetivo de evitar a exposição da gestante ao vírus ou de forma online. Programa Gestação Segura As beneficiárias da NotreDame Intermédica Sul contam com o Programa Gestação Segura (PGS), que oferece acompanhamento multidisciplinar, além do pré-natal, com esclarecimento de dúvidas e encontros com diversas temáticas online e acesso a conteúdos exclusivos. Para se inscrever, basta enviar uma mensagem para o Whatsapp (51) 99985-5504 ou para o e-mail programagestacaosegura@clinipam.com.br.

Quando a queda de cabelos pode ser caracterizada como doença em mulheres?

Quando a queda de cabelos pode ser caracterizada como doença em mulheres?

27/05/2021

É comum perder cabelo e a quantidade de 60 a 100 fios por dia está dentro do padrão preconizado como normal pela Sociedade Brasileira de Cabelo. No entanto, quando a queda é excessiva pode caracterizar a alopecia feminina: redução total ou parcial de cabelos em alguma região da cabeça, conhecida também como calvície. As causas da alopecia são variadas: micose no couro cabeludo; uso de medicamentos; reação hormonal pós-parto, dietas desequilibradas, falta de vitaminas, doenças como hipotireoidismo e hipertireoidismo; utilização de produtos químicos inadequados e até estresse. Sobretudo para as mulheres, a alopecia causa alteração na aparência física e interfere na autoestima. Por isso, se você percebeu que os fios estão mais ralos, finos e até perderam cor, vale procurar a ajuda de um profissional na área da dermatologia. Diagnóstico Esse especialista poderá detectar as causas da perda anormal de cabelo por meio de exames de sangue para a análise de hormônios da hipófise, da tireoide, da supra-renal e dos ovários. O médico também poderá avaliar com mais profundidade o metabolismo da paciente, como as reservas de ferro, zinco, cobre e vitaminas. Outra alternativa é a solicitação de uma biópsia do couro cabeludo. Como as causas da alopecia são variadas é importante que cada caso seja tratado de forma individual. Tipos de alopecia As alopecias podem ser classificadas como cicatriciais ou não cicatriciais. A incidência das alopecias cicatriciais é mais rara. Pode causar uma perda definitiva dos fios e estar relacionada a doenças como lúpus, diabetes, tumores ou infecções e doenças dermatológicas, entre outras, além de traumas e exposição à radiação. Daí a importância de identificar logo o problema para que os danos ao couro cabeludo não sejam irreversíveis. Já as alopecias não cicatriciais podem ser caracterizadas como: - Alopecia androgenética: é bastante frequente e mais comum em homens. É resultado de uma reação aos hormônios masculinos no corpo, especificamente o DHT (diidrotestosterona), que atua dentro dos folículos, e que desencadeia a morte das células que produzem os fios. A ocorrência em mulheres se deve ao fato de quadros chamados androgênicos, quando a alopecia se comporta com padrão semelhante em homens, porém sem alteração dos hormônios do eixo masculino. - Alopecia areata: é mais comum quando falamos em calvície feminina. Nesse caso, a perda de cabelo se deve à alteração no sistema imunológico. Leva ao aparecimento de uma área pequena e arredondada totalmente sem cabelos. Pode ser do tamanho de uma moeda ou maior. Raramente a queda dos fios é completa. - Alopecia de tração: normalmente acomete mulheres que usam cabelos presos (penteados muito repuxados e apertados). É mais comum perceber falhas nas têmporas ou na implantação de cabelos na testa.

6 sinais de que você precisa de um oftalmologista

6 sinais de que você precisa de um oftalmologista

13/05/2021

O astigmatismo e miopia estão no ranking das principais doenças da visão. A Organização Mundial de Saúde (OMS) classifica a miopia como a epidemia do século e estima que, até 2050, mais da metade da população mundial terá a doença. A miopia consiste em um erro refrativo do globo ocular. Já o astigmatismo é uma doença na qual a pessoa apresenta problemas na visão de objetos próximos e distantes. Isso acontece devido ao formato irregular da córnea. Por óbvio, as pessoas que receberam esses diagnósticos descobriram por meio de uma consulta com o oftalmologista. Mas a maioria delas só se preocupou com a saúde dos olhos quando percebeu uma irritação ou visão embaçada. Trata-se de uma questão cultural: o brasileiro não tem o costume de olhar literalmente para os próprios olhos e compreender que eles também fazem parte dos cuidados com a saúde. Uma pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência em 2020 mostrou que 10% das pessoas nunca foram ao oftalmologista. De todos os entrevistados do levantamento “Um Olhar para o Glaucoma no Brasil”, 25% afirmaram que marcam uma consulta com o especialista apenas quando sentem algum incômodo; 30% acreditam que só devem procurar atendimento depois que iniciar o uso de óculos; e 23% depois de perder parte da visão. Todos esses dados comprovam que prevenir problemas de visão ainda não é um hábito comum. Os olhos são órgãos responsáveis por diferenciar cores, formas, texturas, relevo, movimento, distância e intensidade de luz. Muitos especialistas consideram que a visão é o sentido mais importante para o ser humano. Cuidado desde a infância A notícia boa é que é possível prevenir várias doenças dos olhos, assim como dos demais órgãos do corpo humano. Os cuidados com a saúde dos olhos devem começar desde o nascimento. É recomendado levar o bebê para a primeira consulta com o oftalmologista aos seis meses. Após isso, o especialista pode ser consultado anualmente. Também é importante monitorar sinais que indicam problemas na visão dos pequenos, como, por exemplo, dores de cabeça durante ou após as aulas, irritação nos olhos, dificuldades para ler e olhos avermelhados. Por isso, marque uma consulta com oftalmologista regularmente, antes mesmo do sintoma aparecer. Porém, se aparecer, saiba quais são os seis sinais de que você precisa, o mais rápido possível, ir a um especialista: Visão turva e desfocada: esse é o sinal que mais leva às pessoas ao oftalmologista. Qualquer dificuldade de enxergar, longe ou perto, deve ser investigada. Dores de cabeça: se você está se esforçando demais para ler algo ou espreme os olhos para focar em um objeto distante ou próximo, fique atento. As dores de cabeça podem vir desse esforço ou então depois de trabalhar por longo tempo em frente à tela do computador ou do celular. Olhos perto das telas de eletrônicos: você leva a cabeça bem próxima ao computador quando está trabalhando ou coloca o celular perto demais dos olhos. Afastar objetos e franzir a testa: repare se você coloca objetos a uma distância maior para conseguir ler uma embalagem, por exemplo, e/ou franze a testa. Aumento de sensibilidade à luz: perceba se você sofre algum incômodo quando entra em uma sala escura que tem uma televisão ligada, por exemplo, ou mesmo com a luz natural do sol. Coceira ou olhos avermelhados: seus olhos estão irritados e há vasos sanguíneos dilatados na esclera, “a parte branca do olho”.

6 dicas para cuidar da saúde mental

6 dicas para cuidar da saúde mental

13/05/2021

A pandemia do coronavírus tem afetado a saúde física e mental dos brasileiros como nunca. Segundo uma pesquisa realizada pela Mercer Marsh, empresa de consultoria corporativa, a procura da população por tratamento de saúde mental cresceu quase quatro vezes do ano passado até agora. Além do cuidado com o universo emocional, a saúde física é outro pilar essencial para o bem-estar do ser humano e não pode ser deixado de lado.Um levantamento feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em janeiro de 2021 apontou que 47% dos adultos não praticam atividade física suficiente para garantir uma boa saúde física e mental. A falta deste hábito aliado à exaustão emocional gerada pela pandemia fizeram a qualidade de vida do brasileiro cair vertiginosamente. Imagine chegar de um dia de trabalho completamente cansado. Você deixa a bolsa de lado, retira os sapatos e só pensa em tomar um banho quente. Mas depois disso, liga a TV e assiste ao noticiário do dia recheado de acontecimentos negativos. Nas redes sociais, o mesmo movimento se repete, mas com discussões abertas e desabafos. Fica difícil ter uma noite de sono restauradora diante desse bombardeio de informações. Parte da população que continua trabalhando em home office também tem relatado dificuldades em separar a vida pessoal da profissional. Sem falar na segunda onda da pandemia e o medo das novas cepas agravaram a saúde mental das pessoas, além de causar preocupação ainda maior em relação à saúde física. A psicóloga do Centro de Qualidade de Vida (CQV) do GNDI Sul, Bruna Bastos, diz que sentir-se abatido e desanimado durante esse período é comum. Segundo ela, não é possível estar bem 100% do tempo. “Todo esse turbilhão de pensamentos deve ser enfrentado também com a seguinte reflexão: todos nós nos encontramos na mesma situação. A questão é não se comparar ao comportamento dos outros e saber que cada um tem uma forma de encarar e se adaptar a esse momento de tantas mudanças que estamos vivendo”, afirma. Diante desse momento desafiador, é preciso fazer algumas mudanças nos hábitos para melhorar a qualidade de vida e buscar o bem-estar. Separamos seis dicas que vão ajudar você a cuidar melhor da mente e do corpo: Alimente-se de forma saudável: dê preferência a produtos orgânicos e não industrializados. Faça escolhas de maneira equilibrada e consuma alimentos diversificados ao longo da semana. Se precisar de ajuda, procure um especialista em Nutrição. Faça atividades físicas: encontre um esporte que você gosta e vá ao menos três vezes por semana. Muitas pessoas ainda são sedentárias porque não encontraram uma atividade que realmente gostam de fazer. Pratique atividades relaxantes: meditar, fazer yoga, entrar em contato com a natureza, ler um livro, ouvir uma boa música, cozinhar e assistir um filme são exemplos de alguns prazeres da vida. Limite o tempo do noticiário e das redes sociais: é importante saber o que está acontecendo no país e no mundo, mas apenas o suficiente. O excesso de informações pode provocar medo, fadiga, desânimo e, consequentemente, problemas emocionais mais sérios. Crie uma rotina: organize as atividades numa escala de horários. Separe tempo para fazer as refeições nas horas adequadas e faça pausas para descansar a mente durante o trabalho. Mantenha contato com a família e amigos: mesmo com o distanciamento social, é possível conversar por telefone, chamada de vídeo ou mandar uma mensagem. Mesmo que você não possa chegar perto de uma pessoa do grupo de risco, que tal fazer uma visita no estilo drive-thru? IMPORTANTE: em caso de aparecimento de sintomas como mudanças no sono, dores de cabeça, cansaço em excesso, tremores nas mãos, dor no peito (na ausência de problemas respiratórios), tristeza, raiva e preocupação em excesso, abuso de substâncias como álcool cigarro ou medicamentos, procure atendimento médico. GNDI Sul tem Atendimento Virtual Psicológico Os beneficiários do GNDI Sul contam com um serviço exclusivo para tratamento de saúde mental. É o Atendimento Virtual Psicológico, que pode ser acessado de casa. O atendimento é oferecido pela Clínica Rama, para adultos e crianças. Para acessar o serviço, basta informar a guia ou indicação médica pela Central GNDI e agendar uma consulta de avaliação na Clínica Rama.

Declaração de comorbidades para vacina COVID-19 em Curitiba

Declaração de comorbidades para vacina COVID-19 em Curitiba

10/05/2021

Seguindo a orientação da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, estabelecida em parceria com o Conselho Regional de Medicina do Paraná, já está disponível a Declaração de Comorbidades para a Campanha de Vacinação contra a COVID-19 da Prefeitura Municipal de Curitiba. Os beneficiários da NotreDame Intermédica Sul, na faixa etária dos 18 aos 59 anos e que apresentem comorbidades, podem solicitar a Declaração de Comorbidades da seguinte maneira:2 Agendamento via aplicativo GNDI easy Sul, Portal do Beneficiário pelo site ou Central de Atendimento; 3 Apenas se houver necessidade de atendimento presencial para diagnóstico, conforme disponibilidade de consultas.São consideradas as seguintes comorbidades para a Vacina COVID-19, segundo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação:• Arritmias cardíacas • Cardiopatia hipertensivo • Cardiopatias congênitas no adulto • Cirrose Hepática • Cor-pulmonale e hipertensão pulmonar • Diabetes Mellitus • Doença cerebrovascular • Doença renal crônica • Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas • Hemoglobinopatias graves • Síndromes coronarianas • Valvopatias• Hipertensão Arterial estágio 1 e 2 com LOA e/ou comorbidade • Hipertensão Arterial estágio 3 • Hipertensão Arterial Resistente (HAR) • Imunossuprimidos • Insufiência Cardíaca (IC) • Miocardiopatias e Pericardiopatias • Obesidade mórbida • Pessoas com deficiência permanente • Pneumopatia crônica grave • Síndrome de Down • Gestantes e PuérperasOs serviços de plantão nos Hospitais e Pronto Atendimento ou Pronto Atendimento COVID-19 não emitirão a Declaração de Comorbidades para a Vacina Covid-19.A emissão de Declaração de Comorbidades não significa que o médico indicará a vacina, somente atesta que o paciente se adequa às definições do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação.Para sua consulta, é importante ter em mãos as receitas dos medicamentos que você utiliza.A Declaração de Comorbidades será encaminhada para o e-mail do beneficiário, que deverá imprimí-la para apresentação no dia da vacinação.Os locais de vacinação e o calendário estão disponíveis no site e pelo aplicativo Saúde Já, da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. http://www.saudeja.curitiba.pr.gov.br.Em caso de dúvidas, entre em contato com a Central de Atendimento: (41) 3021-3001.

O Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS)  2020 (ano base 2019)

O Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) 2020 (ano base 2019)

20/04/2021

O Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) faz parte do Programa de Qualificação de Operadoras (PQO) que é uma inciativa desenvolvida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para avalição anual do desempenho das operadoras de planos de saúde. O IDSS é um índice composto por um conjunto de indicadores agrupados em quatro dimensões e é calculado com base nos dados extraídos dos sistemas de informações da Agência ou coletados nos sistemas nacionais de informação em saúde.Confira abaixo o desempenho do Grupo Notredame Intermédica Sul com resultado geral e separado por dimensões:Resultado geral do IDSS do GNDI-Sul: 0,74241) IDQS - Qualidade Em Atenção à Saúde: Avaliação do conjunto de ações em saúde que contribuem para o atendimento das necessidades de saúde dos beneficiários, com ênfase nas ações de promoção, prevenção e assistência à saúde prestada.Abaixo a nota do GNDI-Sul nesta dimensão: 2) IDGA - Garantia de Acesso: Condições relacionadas à rede assistencial que possibilitam a garantia de acesso, abrangendo a oferta de rede de prestadores.Abaixo a nota do GNDI-Sul nesta dimensão:3) IDSM - Sustentabilidade no Mercado: Monitoramento da sustentabilidade da operadora, considerando seu equilíbrio econômico-financeiro, passando pela satisfação do beneficiário e compromissos com prestadores.Abaixo a nota do GNDI-Sul nesta dimensão:4) IDGR - Gestão de Processos e Regulação: Entre outros indicadores, essa dimensão afere o cumprimento das obrigações técnicas e cadastrais das operadoras junto à ANS.Abaixo a nota do GNDI-Sul nesta dimensão: Para saber todos os detalhes sobre a nossa nota do IDSS Clique aqui.IDSS 2017, 2018 e 2019 Clique aqui

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) - 2017, 2018 e 2019

Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) - 2017, 2018 e 2019

20/04/2021

O Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) faz parte do Programa de Qualificação de Operadoras (PQO) que é uma inciativa desenvolvida pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para avalição anual do desempenho das operadoras de planos de saúde. O IDSS é um índice composto por um conjunto de indicadores agrupados em quatro dimensões e é calculado com base nos dados extraídos dos sistemas de informações da Agência ou coletados nos sistemas nacionais de informação em saúde. Confira abaixo o desempenho com resultado geral: Link dos IDSS anteriores. IDSS 2019 (Ano base 2018) e IDSS 2018 (ano base 2017) https://gndisul.com.br/clinipam/idss IDSS 2017 (ano base 2016) https://gndisul.com.br/noticia/idss Confira os resultados completos no site da ANS. Clique Aqui.

11 de abril reconhece atuação do Infectologista no Brasil

11 de abril reconhece atuação do Infectologista no Brasil

11/04/2021

Essa especialidade ganhou destaque no combate à Covid-19, mas a área de trabalho é abrangente e exige atualização constante O dia 11 de abril é o Dia do Infectologista. Mas, afinal, o que é e o que faz um médico infectologista? Ele é um especialista em doenças infecciosas e parasitárias, formado para entender como elas surgem, escolher a melhor forma de tratá-las e formular meios de barrar sua disseminação. A data em homenagem ao infectologista foi criada pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) no ano de 2005. O dia 11 de abril é a data de nascimento do sanitarista brasileiro Emílio Ribas (1862-1925). Ele conquistou grande renome na área ao se destacar pelo pioneirismo no combate à febre amarela, transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Com o surgimento do novo coronavírus o profissional ganhou os holofotes devido à sua expertise para ajudar a entender o desenvolvimento da doença e formas de combatê-la. “Muitas pessoas, leigos, não sabiam que o infectologista existia, e descobriram agora com essa pandemia, pois a gente ficou muito em foco na mídia. Entendo que existe uma sinergia, uma parceria entre os infectologistas e outros especialistas para poder assistir à população durante o combate à Covid-19”, afirma o médico infectologista Rafael Mialski, do GNDI Sul. Um detalhe importante ressaltado por Rafael é sobre o trabalho do infectologista: ninguém acorda com algum sintoma e lembra diretamente do profissional. “Esses pacientes são encaminhados para o infectologista por um outro colega médico, que tem uma suspeita que o paciente tenha alguma infecção, seja para ajudar no diagnóstico ou com dificuldade no tratamento”, explica. Áreas de atuação Além de sua contribuição em relação ao novo coronavírus, o infectologista atende de forma regular a pacientes portadores do HIV, vírus causador da AIDS. O profissional também trata de casos de tuberculose, que antes do surgimento da AIDS era a doença que mais levava pacientes ao consultório deste especialista. Outra área de atuação do infectologista se encontra dentro do ambiente hospitalar. Cabe a cada instituição de saúde ter um departamento específico para identificar e combater casos de infecção que possam atingir pacientes e profissionais que lá trabalham. Além do trabalho no consultório para atender as infecções consideradas mais comuns como a gripe, o especialista tem uma presença intensa na saúde pública. “Muitos sanitaristas são infectologistas porque eles acabam atuando na relação das doenças na comunidade, cadeias de transmissão, vacinação, e formas de prevenção. Portanto, o infectologista entra nesse meio de discutir as melhores formas de controlar essas doenças”, aponta Mialski. Prontidão Como se percebe, as situações de saúde que surgem no cotidiano exigem constante cultura de prontidão do infectologista. “Eu penso que um dos principais desafios e, ao mesmo tempo, encantos da especialidade é essa mudança no repertório. Gosto de comentar que há dois anos ninguém falaria de Covid. É uma grande novidade que o infectologista tem de se atualizar sobre a doença, poder aprender e oferecer isso ao paciente”, ressalta Mialski. No trabalho de detecção de casos de infecção dentro dos hospitais, a postura é a mesma. “Volta e meia a gente tem um novo mecanismo de resistência das bactérias, e precisa aprender como tratar, correr atrás de antibióticos novos”, descreve o infectologista do GNDI Sul. O infectologista precisa lidar inclusive com insetos. “Da mesma forma, as arboviroses, que são infecções por vírus transmitidas por artrópodes, geralmente mosquitos. Volta e meia tem uma nova, como aconteceu com o Zikavírus. Antes de surgir ninguém falava neles, a Chikungunya, era uma doença restrita a regiões da África e da Ásia, que chegou ao Brasil. A própria dengue tem suas mutações ao longo dos anos”, exemplifica o especialista. Atuação contra a Covid-19 Com a pandemia da Covid-19, o infectologista foi requisitado a explicar o desenvolvimento e a disseminação da doença. Mas seu trabalho pode ser feito ainda dentro do próprio ambiente hospitalar, junto a pacientes internados. “Os infectologistas se encaixam na pandemia no tratamento do paciente não crítico, de enfermaria, em que o suporte avançado de vida, que é a especialidade do intensivista, não precisa ser implementado. O infectologista tem também todas as condições de atender o paciente no consultório e dentro da UTI, com o suporte ao intensivista de orientação de novas drogas e novos tratamentos que estão surgindo para tratar essa doença”, afirma Rafael. Para ele, no caso específico do combate à Covid-19, o maior desafio é essa mudança constante dos protocolos, com as novas descobertas acerca da doença e suas novas cepas. “Mas é um desafio no bom termo da palavra, um incentivo para a gente continuar se dedicando a essa especialidade”, finaliza.

Novo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde - RN 465/2021

Novo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde - RN 465/2021

09/04/2021

A partir de 01 de abril de 2021 passou a vigorar o novo Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS para os planos de saúde individuais e coletivos contratados partir de 1º de janeiro de 1999, ou adaptados à Lei 9656/98. O novo Rol foi publicado pela Resolução Normativa - RN nº 465, de 24 de fevereiro de 2021, com ampliação de 19 novos procedimentos, entre exames, terapias e cirurgias para diagnóstico e tratamento de enfermidades do coração, intestino, coluna, pulmão, mama, entre outras – e a inclusão de 50 novos medicamentos, sendo: 19 antineoplásicos, 17 imunobiológicos e 1 para tratamento de deformidade óssea. A lista completa de incorporações ao Rol, pode ser consultada no link abaixo:RN nº 465 (Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde)Anexo I - (Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde) Anexo II - (Diretrizes de Utilização)Anexo III - (Diretrizes Clínicas)Anexo IV - (Procedimento de Utilização)

“Em Movimento”: o novo programa de medicina preventiva do GNDI Sul

“Em Movimento”: o novo programa de medicina preventiva do GNDI Sul

09/04/2021

Programa quer ajudar os beneficiários a criar uma rotina para manter os exercícios físicos no dia a dia e alcançar melhor qualidade de vida “Fique Em Movimento e mantenha-se saudável”. Este é o slogan do novo programa do Centro de Qualidade de Vida (CQV) do GNDI Sul. A ação visa estimular os beneficiários a buscarem boa qualidade de vida por meio da prática de exercícios físicos constante. Mexer o esqueleto faz bem para o corpo e para a mente e é algo que deve estar na rotina de quem quer adotar um estilo de vida saudável. As inscrições começam no dia 12 de abril e se estendem até o dia 26 do mesmo mês e podem ser feitas nos canais oficiais do GNDI Sul - clique aqui. O programa “Em Movimento” vai prestar orientações de como criar o hábito para a realização de atividades físicas. O grupo será online. “Nossa finalidade com o “Em Movimento” é colocar a atividade física dentro de uma rotina, mostrando que ela é importante em nossas vidas, assim como escovar os dentes e tomar banho”, afirma o educador físico Diego Mariano, coordenador do programa. Com as atividades físicas regulares, o beneficiário vai perceber uma melhora natural no seu quadro de saúde – física e mental - reduzindo riscos sobre o aparecimento de doenças causadas pelo sedentarismo na longevidade, por exemplo. “O objetivo é constituir um estilo de vida mais saudável, o que gera economia para o paciente e, sobretudo redução de impactos na sua saúde no futuro”, explica Diego.Via plataforma digitalAs aulas com prescrição de exercícios vão acontecer via plataforma digital. Depois de fazer a inscrição, o beneficiário irá receber um link para cadastrar o horário de contato em que os responsáveis irão fazer as orientações e introduzir os treinamentos. Também haverá a inscrição do participante em grupo de whatsapp para acompanhamento e motivação. O monitoramento constante do progresso do participante, com a ajuda das ferramentas online, é um dos principais aspectos estratégicos para alcançar o sucesso do “Em Movimento”. Diego explica: “Se não cultivar o hábito não vai ter resultado. É preciso trazer a consciência de que a atividade física deve ser algo constante. Não há poupança quando falamos em exercícios. É algo que temos que praticar ao longo da vida e ninguém pode fazer isso por nós. É um compromisso que cada um deve assumir consigo mesmo”, diz o coordenador.4 pilaresAs aulas para fomentar a rotina de exercícios físicos em casa, com a ajuda de plataformas digitais, terão quatro pilares. Elas vão dar orientação de como organizar o tempo (1), explicar os métodos de exercícios (2), além de falar sobre alimentação saudável (3), que é o combustível do corpo e possibilita gerar energia para a prática de atividades físicas. Também haverá aulas sobre a importância do sono (4) para ajudar a manter esses novos hábitos.A meta é que em dois meses se consiga, após essas orientações práticas, convencer o beneficiário a estabelecer uma rotina de exercícios dentro de sua realidade no dia a dia de cada pessoa. “É preciso conscientizar as pessoas que é algo essencial, que não pode estar fora da rotina. Praticar atividades físicas, além de diminuir a ansiedade e melhorar a qualidade de vida e o bem-estar, também aumenta a imunidade do nosso corpo. Tudo isso é essencial, ainda mais no momento que estamos vivendo”, ressalta Diego. Serão oito encontros: um por semana com duração de 40 minutos. Após o período de inscrições informado acima, o primeiro ciclo de aulas está previsto para começar no dia 4 de maio, com conclusão em 26 de junho. Inscreva-se. Clique aqui!

Selo ANS Número ANS