Home > Notícias > A telemedicina é um caminho sem volta

A telemedicina é um caminho sem volta

Publicado em: 23/12/2020 A telemedicina é um caminho sem volta

A pandemia da Covid-19 mudou muitos comportamentos mundo afora, principalmente em razão do isolamento social, principal medida de segurança para frear a escalada do Coronavírus. No Brasil, um dos destaques foi a incorporação da Telemedicina como ferramenta de acesso à saúde dos brasileiros. Esta modalidade ganhou espaço na legislação e na rotina de profissionais do setor e pacientes. Eles já estão familiarizados em frente às câmeras dos celulares e computadores para realizar suas teleconsultas neste “novo normal”.

Márcia Albino, gerente executiva da Clinipam, uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica, acredita que a pandemia acelerou o avanço da telemedicina, que veio para ficar. “Informalmente, muitos já usavam ferramentas como WhatsApp para enviar resultados de exames, tirar dúvidas e se comunicar com mais facilidade com seus médicos, mas a prática ainda não estava regulamentada. Com a Covid-19 o que era uma tendência virou necessidade e essa prática quebrou paradigmas. Nove meses após o estabelecimento da telemedicina no País, que já era comum em países europeus, observamos que médicos e pacientes estão satisfeitos com a nova modalidade”, diz.

É o caso da beneficiária Elisa Gorski, que se tornou cliente Clinipam GNDI em 2020, em plena ‘era das teleconsultas’. Ela é mãe de Gustavo, de 4 anos, que já tinha um problema ortopédico diagnosticado e fazia acompanhamento em um hospital em Curitiba. Com o ingresso na operadora, precisou consultar o especialista e teve a experiência de experimentar as facilidades da telemedicina pela primeira vez. 

“Num primeiro momento, fiquei receosa pensando em como seria uma consulta em ortopedia, uma especialidade que exige uma avaliação física, e me surpreendi. O médico foi muito atencioso e entrou em contato no horário marcado. Conversamos, expliquei o histórico e ele pediu exames. Peguei as guias no PAMI e agora vou levá-lo presencialmente. A teleconsulta pulou uma etapa e já irei ao médico com o laudo pronto, o que certamente vai ajudar no diagnóstico e na continuidade do tratamento”, relata. 

As vantagens da telemedicina vão além de evitar o contágio pelo Coronavírus em Centros Clínicos e unidades hospitalares, como explica Simone Dzembatyi, coordenadora administrativa da Clinipam GNDI. “Numa definição clássica podemos dizer que a modalidade é à medicina aplicada através de recursos tecnológicos que promovem a comunicação entre profissionais de saúde e pacientes à distância, deixando de ser um empecilho para o acesso a consulta com especialista, por exemplo. Do ponto de vista social, a telemedicina tem um significado maior ainda, uma vez que mudou a forma de entregar saúde trazendo maior equidade e democratização do cuidado”.
Sem fronteiras, o atendimento da telemedicina cresceu em 2020 na Clinipam GNDI. A operadora realizou somente no Centro de Especialidades Remota mais de 4 mil atendimentos em teleconsultas. Já nos Centros Clínicos foram mais de 180 mil atendimentos até o último mês de novembro. “A telemedicina trouxe benefícios para os usuários, como a comodidade do atendimento no conforto de casa, a otimização do tempo em salas de espera para atendimento e custo em deslocamento. A flexibilidade da modalidade também agiliza o diagnóstico e a continuidade do cuidado”, observa Fernanda do Rocio Araujo Kruchelski, coordenadora de enfermagem da Clinipam GNDI.
Como funciona, na prática?

Desde o mês de março, a legislação brasileira permitiu o atendimento médico por telemedicina durante a pandemia da Covid-19. A resolução contempla quatro formatos de atendimento: teleorientação (avaliação remota do quadro clínico de pacientes com seus direcionamentos); telemonitoramento (monitoramento à distância de parâmetros de saúde/e ou doença do paciente); teleconsulta (troca de informações entre médico e paciente com a possibilidade de prescrição e atestado médico); e teleinterconsulta (troca de informações e opiniões entre médicos para auxílio do diagnóstico ou terapêutico).

Os três primeiros formatos foram adotados pela Clinipam GNDI para o atendimento dos seus beneficiários. “As teleorientações são feitas via chat no app Dr. Clinipam. Desde 2018, nossos beneficiários têm acesso a orientações na palma das mãos. Atuamos na vanguarda no mercado da saúde privada e, muito antes da pandemia, já tínhamos uma infraestrutura e um aplicativo exclusivo para nossos clientes funcionando a todo vapor. No telemonitoramento conseguimos acompanhar o quadro de saúde dos pacientes com Covid-19. E, nas teleconsultas, prestamos atendimento por telefone ou chamada de vídeo para todo nosso universo de clientes”, informa Márcia Albino.
Pioneirismo no atendimento online 

Apenas em 2020 o Dr. Clinipam contabilizou mais de 94 mil teleorientações. Trata-se de uma ferramenta tecnológica inovadora, que permite ao beneficiário a assistência virtual em queixas agudas e pontuais, dúvidas de saúde frequentes, interpretação de exames e direcionamento para atendimento presencial quando necessário. 

No atendimento online o beneficiário recebe orientação para esclarecer aquela situação emergencial: após a investigação de enfermagem é realizada a conduta médica com a possibilidade de prescrição de medicamentos, encaminhamento para especialidade ou pronto-atendimento, entre outros. 

Com o início da pandemia o Dr. Clinipam passou a funcionar 24 horas, sete dias por semana e realizar as orientações referente ao COVID-19. O aplicativo pode ser baixado no nas plataformas da Google Play para Android e Iphone.


Selo ANS Número ANS